semana de 20 de maio de 2015

1. NA TV

Os dois grandes destaques (ao ponto de superexposição) foram as despedidas a Mad Men e Dave Letterman, dois “fins de era” na TV, uma que estabeleceu o humor inteligente no late night e outra que mudou a TV a cabo para sempre nos EUA (e talvez no mundo).  A audiência também foi representativa dos dias de hoje: Dave Lettermen fez 14 milhões, enquanto que  em 2014, Jay Leno fez 14.6 milhões e Johnny Carson, 55 milhões em 1992, mas Dave Letterman liderou o late night de segunda a quarta, com média de 4 milhões. Já Mad Men, ao vivo fez 3.3 milhões, e 4.6 milhões (ótimo) no Live+3.

Jimmy Kimmel, Jimmy Fallon e Seth Meyers falaram de Letterman na terça e quarta com lágrimas nos olhos. Kimmel chegou a anunciar que estaria reprisando seu programa na quarta e sugeriu que seu público trocasse de canal para ver Dave (falou isso abertamente). O Daily Show passou a semana em reprise.

Algo semelhante aconteceu durante Mad Men: todos os canais do AMC Networks (IFC, Sundance e BBC)  “saíram do ar” durante o último episódio, cada um exibindo uma coleção de fotos de Mad Men, como projeção de slides. Uma cartela dizia para o espectador trocar o canal e ver o último episódio, “o fim de uma era”. Durante os breaks AMC lançou um teaser com o que vem por aí.  E a única entrevista de Matthew Weiner sobre o finale foi no NYPublic Library para uma amiga escritora e foi streamed ao vivo e amplamente compartilhada.

O finale de Mad Men não só tornou viral um comercial feito há 44 anos, mas também fez com que o site do  Instituto Esalen, de Big Sur, na California (espécia de spa new-age, como o que Don teve sua epifania), quebrasse recordes de visitação, aumentando até 600% online e 835% no Facebook.

Foi uma semana também de finales dos realities de competição: Dancing with The Stars (ABC, 13.3 milhões, ganhou a filha de Demi Moorte e Bruce Willis), Bachelorette (ABC, 7 milhões)  e The Voice (NBC, 11.4 milhões). E a estréia do esperado 500 Questions, de Mike Darnell e Mark Burnett, na ABC fez 4.6 milhões (empatando com Wayward Pines da Fox, programada como na TV a cabo, com dois eps. por semana). E sem surpresas, a NBC ganhou pela segunda vez consecutiva o May Sweep (entre A18-49), graças ao Super Bowl. Perdeu 11% de audiência em relação ao ano passado, mas Fox perdeu 24% (apesar do sucesso de Empire) permitindo que a CBS subisse ao segundo lugar. No final

Na quinta, um especial beneficente na NBC, Red Nose,  reuniu centenas de artistas. Matt Lauer foi de bicicleta de Boston a NY (com total cobertura do Today), Jack Black fez a audiência inteira chorar (passando o dia com um garoto de Uganda), e Chris Martin (Coldplay) protagonizou um sketch muito engraçado com o elenco de Game of Thrones tentando fazer um musical.  A audiência não foi muito alta, mas em 2h eles arrecadaram 21 milhões.

2. NOTICIAS

A mídia especializada diz que os compradores estrangeioros que estiveram no LA Screenings esta semana não se entusiasmaram com o excesso de séries baseadas em super heróis e/ou quadrinhos. São 10:  Supergirl, que estréia em novembro na CBS, Legends of Tomorrow (The CW), Lucifer (Fox),  Heroes: Reborn (NBC), Agents of S.H.I.E.L.D. (ABC), Agent Carter (ABC), Gotham (Fox), Arrow (The CW) e Flash (The CW). E por fim  iZombie (CW) também baseado em quadrinhos. Alguns hits entre os compradores foram as comédias Grinder, Grandfathered (Fox) e Crazy Ex-Girlfriend (CW, que achei fraca) e os dramas Minority Report (Fox), The Catch, Quantico e Code Black (ABC).

Fox International Channels está abrindo um estúdio, Fox International Studios, que será comandado por Sharon Tal Yguado. Depois de The Walking Dead, sua primeira produção de ficção (que acharam através de um script submetido), eles formaram uma parceria com o co-criador de  Walkind Dead, Robert Kirkman, para produzir a nova série dele, Outcast, para o Cinemax. Outcast será um drama com tema de exorcismo, baseado numa história em quadrinhos de Kirkman.

Estamos em época de formaturas (e prom nights) e a mais nova tendência por aqui é ter celebridades bacanas dando commencement speechs (discursos de formatura) como se fosse no palco. Cada celebridade dá seu showzinho à parte, claro. Maya Rudolph  encarnou uma Beyoncé/Aguilera, Robert de Niro disse aos formandos Tisch/NYU que eles “estavam f*didos”,  Ed Helms (do The Office) cantou um clássico gospel infantil, Meredith Vieira citou Mark Twain em Boston, Stephen Colbert, Matthew McCauneghey in Houston, George Bush, Mark Ruffalo, Ian McEwan, Bill Nye, Tom Brokaw, Katie Couric, etc.

3. BRANDING & MARKETING
Em várias estações de metrô em NY, Lifetime está promovendo a minissérie sobre a vida de Marilyn Monroe com outdoors animados (telas digitais). Marilyn estréia no proximo dia 30 (acho que no mundo inteiro) e é visualmente lindo. Susan Sarandon faz a mãe de MM, alguém que quase nunca se fala….
A partir de Junho, a Netflix muda a interface na web para todos os seus usuários. O objetivo é fazer com que o look-and-feel online seja semelhante ao que se vê nos smartphones, tablets, consoles de games e Roku.

Já esta cerveja na Alemanha, sem conseguir atingir o público feminino, criou um outdoor que só “enxerga” mulheres. A cerveja Astra equipou alguns outdoors com câmeras programadas com um software que detecta o sexo de quem chega perto, diferenciando homens de mulheres e idade aproximada. Quando detecta uma mulher, 70 mensagens pré-gravadas em vídeo são disparadas. As mensagens, claro, promovem a cerveja.

4. DESENVOLVIMENTO

David Lynch confirmou via Twitter que vai realmente dirigir o remake de Twin Peaks para o Showtime. Serão 9 episódios escritos por ele e o co-criador Mark Frost e terão boa parte do elenco original. Para quem é muito jovem para lembrar, Twin Peaks foi um suspense surrealista criado por David Lynch (com Mark Frost) em 1990, com Kyle MacLachlan no papel do agente do FBI Dale Cooper, que investigava a morte da jovem Laura Palmer (muito semelhante a The Killing). A primeira temporada teve 8 episódios e foi um super sucesso, chegando a atrair 34 milhões de espectadores na ABC, a segunda temporada teve 22 episódios, mas audiência caiu para 19 milhões.

HBO, Sky e Canal+ estão co-produzindo um drama sobre um Papa, que será protagonizado por Jude Law. Serão 8 episódios, filmados na Itália, EUA, Africa e Puerto Rico a partir deste verão.  A direçao de The Young Pope é de Paulo Sorrentino  e vai contar a história do controverso início do papado de Pio XIII.