semana de 2 de junho

NA TV

Não se falou em outra coisa esta semana que não fosse Caitlyn Jenner (Jon Stewart, deu a real dimensão de como a mídia julga mulhers)  O primeiro promo de I Am Cait, a série do E! onde ela revela seu processo de transição, teve 4.5 milhões de visualizações online em apenas um dia. Foi  lançado na quarta, dois dias depois da capa da Vanity Fair, que também quebrou recordes: 9 milhões de visualizações únicas e 13.1 milhões para o clip de bastidores da sessão de fotos com AnnieLeibovitz. A revista mesmo sai na terça (até agora o recorde de vendas foi da edição com Jennifer Aniston na capa em 2005, com 738 mil cópias).

Caitlyn Jenner já vale 5 vezes mais do que Bruce: assinou com a CAA para dar palestras (a USD 100 mil cada), vai julgar concurso de Miss, ser spokesperson da MAC e protagonista de sua própria série, que estréia em 26 de Julho.

E o E! está tirando bom proveito desta transição: um aumento de 53% de audiência em primetime (65% entre mulheres 18-49) graças aos especiais relacionados a Caitlyn. Só o especial Keeping Up with the Kardashians: About Bruce, exibido no mesmo dia do finale de Mad Men, teve 7.7M.

Uma nota interessante: o trabalho de RP desta transição foi simplesmente genial. Desde o programa de Diane Sawyer até a Vanity Fair e todo tom da campanha de marketing, tudo chama a atenção certa. O Variety considera um “trabalho de mestre”: http://variety.com/2015/tv/news/bruce-jenner-caitlyn-jenner-transition-new-york-times-story-1201513335/

A série mais promissora do Lifetime nos últimos anos (e a mais bem criticada) estreou na segunda com audiência morna (815 mil). The UnReal é boa, mas tem narrativa sofisticada mesmo para o publico americano (para o brasileiro, não vai surtir o menor efeito): os bastidores de um reality de namoro. O lead in, Devious Maids, foi muito melhor: 1.46 milhões. The Secret Life of Marilyn Monroe no fim de semana fez só 2.5 milhões.

NOTICIAS E OUTRAS PLATAFORMAS

Como vem se prevendo há alguns anos, o gasto com internet vai superar o de televisão este ano (incluindo os serviços multi-plataforma dos canais). De acordo com a FTI Consulting, os valores movimentados na internet vão subir 11.4% em 2015, para $41.8 bilhões, enquanto a TV aberta vai movimentar “apenas” $38.9 bilhões (0.9% a mais que o ano passado) e a TV a cabo, subindo 6%, vai movimentar $33.4 bilhões. E anunciantes vão gastar mais ainda em mala-direta este ano: $44.2 bilhões. A FTI projeta que os gastos de anunciantes em 2018 será de $55.6 bilhões online, $45.5 bilhões em broadcast, $40.0 bilhões a cabo e $44.2 bilhões mala direta.

Apple levou sua campanha Shot on Iphone para a TV, lançando uma série de filmetes curtos, simples e lindos, todos feitos no Iphone 6. As cenas são triviais, captadas em diversas partes do mundo, tem trilha cativante e contam uma história. A Tech Times tem todos na mesma página: http://www.techtimes.com/articles/57328/20150603/apple-releases-new-shot-iphone-6-video-ads-made-real.htm  Se tiver geo-block, estão aqui no youtube.

O serviço de SVOD Vimeo está lançando um serviço de assinatura mensal, mas diferente de Netflix. Os diversos artistas e criadores que usam Vimeo para mostrar seus trabalhos vão poder oferecer o serviço por assinatura mensal para que seus vídeos sejam acessados ilimitadamente.
Seguindo os  passos da HBO, o Showtime anunciou o seu serviço OTT que estará disponível em todos os dispositivos da Apple a partir de Julho por USD11/mês. O serviço não requer uma assinatura de TV paga tradicional, oferece toda library do Showtime e o lançamento coincide com a estréia das novas temporadas de Ray Donovan e Masters of Sex.

Showtime é apenas mais um na verdadeira avalanche de novos canais disponíveis em OTT. Aqui, um resumo  fácil de visualizar feito pelo NYTimes: http://www.nytimes.com/interactive/2015/business/media/streaming-tv-cord-cutting-guide.html

Pinterest, uma rede social que ajuda as pessoas a descobrirem coisas novas no mundo real, vai dar ao usuário a  chance de poder compra-las. Em sua primeira incursão em e-commerce, eles vão lançar “buyable pins”, dando a chance de se comprar objetos postos no mural.

Shonda Rhimes vai lançar seu primeiro livro, Year of Yes, em Novembro. O livro vai contar como foi sua experiência de dizer “sim” para convites inesperados durante o ano de 2014 (se eu soubesse teria tentado ela para o programa de roteiristas).  Shonda diz que foi desafiada pelos editores da Simon & Schuster e por isso, claro, “disse sim”. A proposta é semelhante a um outro livro, The Year of Yes, onde a autora narra o ano que aceitou todos os convites masculinos para sair.

Associação de críticos de televisão americana, The Television Critics Association (TCA), anunciou os indicados para seus prêmios de melhores da TV em 2015. E muitas novidades este ano (ainda bem), como Gina Rodriguez, The Americans, Empire, Transparent, Better Call Saul e como melhor “ator” homens e mulheres na mesma categoria (Jon Hamm, Viola David, Bob Odenkirk, Matthew Rhys, Taraji Henson). Os ganhadores serão anunciados dia 8 de Agosto no Beverly Hilton em Los Angeles.

Análise do Instituto Nielsen apontando as celebridades com mais empatia e mais eficazes na venda dos produtos que endossam:

http://www.nielsen.com/us/en/insights/news/2015/they-really-like-me-the-most-liked-celebrity-endorsers-of-q1-2015.html?cid=emNewswire-Newsletter

 

DESENVOLVIMENTO

Agora em desenvolvimento para o mercado americano por Marta Kauffman e a Electus (de Jane The Virgin), Doc Martin é uma série da ITV inglesa muito popular, já na sua 7ª temporada. É  sobre um cirurgião de sucesso que deixa sua clínica em Londres para se tornar um clínico geral numa pequena vila de pescadores. Mas assim como Dr. House, o “estilo pessoal” do cirurgião não cai muito bem entre os locais.

Donny Deutsch é um publicitário/colunista constantemente na TV em programas jornalísticos dando sua opinião sobre tudo, especialmente no Today e na MSNBC. Ele agora vai ganhar uma versão ficcionalizada dele mesmo, protagonizando uma comédia do tipo Curb Your Enthusiasm chamada Donny! Na série, ele vai satirizar a mídia em seu próprio talk show diário (Donny!), dando conselhos sobre qualquer coisa, de celulite a sexting, enquanto rodeado de mulheres administrando sua vida que é um caos.

Ovation vai continuar investindo no mercado de arte e está desenvolvendo Art Breakers, um reality que promete levar o espectador para dentro do mercado de leilões, colecionadores e marchands. O reality será conduzido por dois consultores tentando acomodar as exigências de seus ecléticos e extravagantes clientes.

Netflix vai co-produzir com Saban, uma animação com o Cirque du Soleil para crianças pré-escolares, Cirque du Soleil — Luna Petunia, para lançar em 2016. A história é sobre uma menina que brinca num mundo de sonhos onde aprende a torna-los realidade. Netflix também está desenvolvendo outras três animações infantis: Kulipari: An Army of Frogs, Edgar Rice Burroughs Tarzan and Jane e Puffin Rock.

 

OUTROS

Uma das conferências americanas mais interessantes dedicadas exclusivamente à não-ficção é a RealScreen. Acontece duas vezes por ano –Washington em Janeiro e Los Angeles em Maio — e dá um panorama geral sobre a produção de realities. Algumas conclusões desta última, a RealScreen West:

Apesar das novidades de formatos e técnicas, autenticidade ainda é fundamental: mesmo que o sucesso se chame Naked & Afraid ou que o participante filme a si próprio, a técnica não importa, em última instância o que vale é a história.
Apesar de todo mundo achar que sua vida dá um reality, nem tudo funciona para a TV
, palavras dopapa do reality Mark Burnett. O público ainda não está preparado para ver qualquer coisas e alguns temas ainda não são aceitos livremente, mas ele sugere aos realizadores que “tratem toda série que estiver produzindo como se fosse BenHur”.
A produção de realities está evoluindo e todos os canais estão tendo de rever os orçamentos para não-ficção.
Segundo um executivo da NBC, os orçamentos são obviamente diferentes que os de series de ficção, mas todos “estão mudando muito”. 
Todos estão procurando o próximo sucesso e ele pode acontecer a qualquer minuto, revelando uma nova tendência
. Mesmo com o cancelamento de American Idol, The Voice ainda dá boa audiência, mas é quase certo que alguma novidade está por vir. Foi assim com Storage Wars, depois Duck Dynasty, que parecia imbatível…mas já foi.Os dias de “Duck Dynasty” já terminaram.
O espectador prefere ver um reality escandaloso do que videoclips lindos, pelo menos na TV,
segundo Colin Nash, responsável pelos realities da MTV. Ele diz que depois do YouTube, os clips foram substituídos por estrelas da vida real com histórias reais para contar. Segundo Nash, a MTV está desenvolvendo um reality de família com Ja Rule, nos moldes de Osbournes.
Realities com curiosidades, que oferecem algum conhecimento ao espectador, estão de volta:
como 500 Questions da ABC.
The Kardashians realmente revolucionaram o gênero:
 vários diretores/produtores reconhecem que é por causa das Kardashians que outros realities, como The Bachelor, tem tramas mais novelescas e sentimentais. Elas ganham cada vez mais dinheiro e deram uma plataforma para a transformação de Bruce Jenner.
A expressão “reality TV” está fora de moda, mas unscripted continua forte.
Segundo Mark Burnett, as pessoas continuam a odiar a expressão reality TV mas um bom programa “sem roteiro” (unscripted) tem histórias tão envolventes quanto uma boa série de ficção. O reality tem vida longa na TV.