semana de 12 de julho

1. NA TV
Na quarta foi dia de Caitlin Jenner fascinar os americanos outra vez, ao receber o prêmio de “coragem”, Arthur Ashe Courage Award, durante os ESPY Awards (prêmios de esporte) na ABC.  Supercarismática, fez um discurso foi eficaz e emocionante, os críticos acusam a jogada de marketing cínico da ESPN em busca de audiência ou injusto diante dos veteranos de guerra (meme lançado por Peter Berg, criador de Friday Night Lights, que disparou outra controvérsia).  A informação de que o prêmio tinha sido negociado em troca da entrevista com Diane Sawyer em Abril (com uma superaudiência de 17 milhões) voltou à tona e agora é considerada “boato”. ESPY Awards ganhou a noite para a ABC com 7.8 milhões. Na mesma quarta, Suits ganhou à noite no cabo.Nos breaks do ESPY Awards, dois comerciais pró-transgênero, um do Google e outro do Airbnb. O do Google já estava online desde o fim do mês passado por conta de Gay Pride Month, mas foi ao ar assim, versão longa de 2’30: https://www.youtube.com/watch?v=ElUK53sf-kc 

Também na quarta foi a estréia de I am Jazz, uma docu-série no TLC sobre a menina de 14 anos trans que é considerada um ícone e modelo para jovens americanos. Ela foi tema de um documentário do OWN, agora tem sua própria série e a  Clean & Clear a adotou como cara de sua campanha na TV e em redes sociais já há alguns meses (e claro patrocina o programa). Em vídeo, ela fala de sua luta para se aceitar e em redes sociais, a campanha incentiva gente do mundo inteiro a compartilhar os desafios de amadurecer.

Todo ano é a mesma coisa: Shark Week arrebenta de audiência. Mas este ano, eles moveram o especial para julho, logo depois do feriado de 4 de Julho e o resultado é que de 6 a 12 de Julho foi a semana de maior audiênic da história do Discovery: 2.4 milhões em primetime todos os dias. Super Predator teve mais de 3.4 milhões.

Para celebrar seus 30 anos, Discovery expande sua marca ao se associar com grandes nomes como Oprah Winfrey e Anthony Zuiker, criando uma campanha onde eles falam asobre a influencia do Discovery na vida deles.http://www.adweek.com/news/television/how-discovery-channel-has-inspired-everyone-oprah-creator-csi-165831

 
2. OUTRAS PLATAFORMAS

O mais recente projeto de Alec Baldwin não é na TV, não é produzido por um estúdio de Hollywood, não tem 22 episódios e nem sequer pretende durar 5 temporadas. Alec Baldwin’s Love Ride é um programete onde ele fala sobre relacionamentos no banco de trás de um táxi. Às vezes com ajuda de uma atriz, como Jemima Kirke (de Girls). É produzido pela produtora de Lorne Michaels, que emplaca sucesso atrás de sucesso no late night da NBC. Baldwin e outros artistas tem seguido este caminho com a produtora Above Average, que quer continuar a fazer vídeos curtos cômicos com temas femininos e esportivos. Imagino que tenha sido inspirado na série de Seinfeld, Comedians in Cars Getting Coffee, mas é divertido. https://www.youtube.com/watch?t=52&v=TCNZdQ7SnDgO novo vídeo da campanha #LikeAGirl da Always, Ustoppable, foi nº 1 entre os vídeos virais da semana (16 milhões só nesta sua primeira). É ótimo e comovente.  Meninas e mulheres escrevem palavras que representam seus desafios em caixas de papelão e depois os chutam para provar que nada pode paraá-las. A campanha, que surgiu há um ano, foi um sucesso imediato e ganhou um Grand Prix de PR no Festival Criativo Cannes Lions (perguntava a mulheres das mais variadas idades o que significava a expressão “como uma menina”). https://www.youtube.com/watch?v=VhB3l1gCz2E

Graças a filmes como Zoolander, há muito se estereotipou que modelos masculinos não tem cérebro. Este foi o caminho escolhido pela Amazon para promover seu patrocínio (Amazon Fashion) da primeira semana de moda masculina de NY com a comediante Samantha Bee. Numa matéria fake, a la Daily Show, Samantha entrevista vários modelos para discutir a Situação do Modelo Masculino, enquanto olha para eles lascivamente e faz perguntas inapropriadas… É engraçado: https://www.youtube.com/watch?v=VEq8DZoCuR0

O instituto de pesquisa Parks & Associates divulgou esta semana uma pesquisa apontando que Netflix, HBO e outros provedores estão deixando de ganhar mais de 500 milhões dólares ao permitirem que usuários acessem o serviço com senhas de amigos para login.  Nos EUA, 6% dos usuários usam um serviço de SVOD de alguém que não mora na mesma casa (20% tem entre 18-24). Mas Netflix, Hulu e HBONow não vão bloquear o compartilhamento de senhas ainda porque todos estão crescendo e não querem after a experiência do consumidor. Além disso, eles consideram que mais de 33% são assinantes em potencial.

Dois bons artigos da Ad Age. Um sobre como marcas podem tirar proveito do DVR e streaming: deixar o controle com o espectador (e aproveitar a tela em pause). E as 5 dicas de marketing para os millenials das 4 maiores plataformas digitais (Snapchat, Twitter, Pandora e Facebook).

Instagram contratou a ex-editora da Lucky, Eva Chen, para liderar seu departamento de “parcerias de moda”, onde vai trabalhar com estilistas e designers para achar “novas formas de narrar histórias”. O objetivo do Instagram (que pertence ao Facebook) é aumentar a monetização, sem ser muito agressivo. Eles hoje tem  300 milhões de usuários mensais (100 milhões a mais que 2014). Eva deu a notícia no próprio Instagram.


3. DESENVOLVIMENTO

A celebrity stylist Rachel Zoe vai voltar à TV num talk show do Lifetime, Fashionably Late with Rachel Zoe, que estréia no fim de setembro. Filmado em seu escritório na Melrose em Los Angeles, o foco será nas tendências da moda, beleza e cultura pop.  Com ela no debate, o marido, Rodger Berman, e um editor da Harper’s Bazaar, Derek Blasberg e celebridades convidadas.

Três novos realities do Bravo:

Reza Farahan, uma das “estrelas” de Shahs of Sunset, vai ganhar seu próprio programa. Reza, que é agente imobiliário vai ajudar novos casais a encontrar o novo lar  e decorá-lo com ajuda de um decorador, Taylor Spellman, em Yours Mine and Ours.
A cabelereira Tabatha Coffey, que virou famosa graças aos realities Shear Genius e Tabatha Takes Over, também do Bravo, volta para o canal para conduzir uma série de auto ajuda chamada Tabatha’s Life Takeover onde sua influência vai muito mais além do cabelo. Tabatha, com seu estilo durão e sem frivolidades, vai proporcionar um makeover para aqueles que estão em situações sem saída.
Heir Heads vai mostrar famílias que estão passando suas grandes empresas para a geração seguinte, dando a chance aos herdeiros de administrar o reino da família.

Uma série que soa bem interessante –e já falei dela aqui antes– voltou a ser assunto esta semana no Bravo. É um drama de época, que se passa nos anos 80, no auge do mercado editorial, quando Anna Wintour e Tina Brown queriam dominar o mercado de revistas. Chama-se All That Glitters, será uma minissérie, produzida pela Universal e Sony, por Gale Anne Hurd (produtora executiva de The Walking Dead) e Judith Verno (de Masters of Sex) e baseada no livro de Thomas Maier.

Lifetime vai co-produzir com a BBC One uma minissérie baseda no livro de Agatha Chritie, And Then There Were None. É um dos melhores livros dela e um dos mais vendidos no mundo, com mais de 100 milhões de cópias. 10 estranhos são convidados a uma ilha para passar um longo feriado, mas um por um, começa a morrer… Quem mata, como mata e quem está por trás dos assassinatos? É um mistério que te prende até o fim.  A adaptação está sendo feita por Sarah Phelps (The Casual Vacancy,Great Expectations) e terá Charles Dance (o finado Tywin Lannister), Sam Neill, Miranda Richardson e Aidan Turner no elenco. A BBC One vai exibir primeiro como minissérie em 3 episódios, parte cas homenagens ao 125º aniverário.  O Lifetime exibe em 2016 em duas partes.

4. FOOD FOR THOUGHT

Artigo interessante sa Broadcasting & Cable sobre as estratégias que canais menores usam para competir em um ecossistema com excesso de bons programas. A BBC A por exemplo, nutre i fã-clube em torno de sua série mais importante, Orphan Black: http://www.broadcastingcable.com/news/programming/all-tv-too-much-good-thing/142488

Mesmo 8 anos depois de sair do ar, Gilmore Girls tem fãs fiéis. Estes dois criaram um podcast onde analisam cada episódio, um a um. Eles são os Gilmore Guys: http://www.nytimes.com/2015/07/13/magazine/why-the-gilmore-girls-fandom-lives-on.html?action=click&pgtype=Homepage&module=c-column-middle-span-region&region=c-column-middle-span-region&WT.nav=c-column-middle-span-region