semana de 30 de novembro

NA TV

O mais novo massacre nos EUA esta seman teve requintes de “sofisticação” e humor negro:  TV ao vivo. O ataque foi terrorista e,  depois da chacina de 14 pessoas, todas as TVs abertas mostraram ao vivo a caçada ao casal de atiradores, que acabou sendo baleado. Na sexta, a TV foi ainda mais longe: CNN e MSNBC entraram com câmeras ao vivo no apartamento alugado pelo casal terrorista em San Bernardino, a convite do síndico, mostrando tudo que tinha dentro: passaportes, identidade, fotos, objetos pessoais….

A integração da Pepsi em Empire foi duplamente meta esta semana. Jamal, a personagem de Jussie Smollet, virou spokesman da Pepsi na série e na vida real, o ator/cantor passou a ser patrocinado pela Pepsi. Além disso, no episódio de quarta, o criador da série Lee Daniels fez um participação como diretor do mesmo comercial da Pepsi, também exibido dentro do programa.

Nesta nova tendência de “eventificar” os especiais de TV, The Wiz, o terceiro musical ao vivo da NBC,  foi um sucesso na quinta, com números bem mais altos que Peter Pan no ano passado, fazendo 11.5 milhões.

Pela primeira vez em 15 anos, a NBC estreou uma comédia às segundas (e em Dezembro), Superstore. Tem America Ferrara, estreou depois do The Voice e foi bem de audêicia: 7.21 milhões.

Article Lead - wide998993808gitsvpimage.related.articleLeadwide.729x410.girwk0.png1438920326861.jpg-620x349O Discovery exibiu o que está chamando de um “eco-thriller”, Racing Extintion, sobre a extinção de animais causada pelo homem.  Racing Extintion é aquela instalação de Travis Threlkel e Louie Psihoyos, que em Agosto cobriu o Empire State em NY com imagens de animais em extinção (foram 40 projetores com imagens em 33 andares, lindo). O documentário também foi disponibilizado no Itunes.

 

OUTRAS PLATAFORMAS

Discovery finalmente lançou o seu aplicativo para streaming: Discovery Go. No aplicativo, conteúdos do Discovery Channel, TLC, Animal Planet, Investigation Discovery, Science Channel, Velocity, Destination America, American Heroes Channel e Discovery Life.

Bravo está inaugurando um novo tipo de parceria de marcas: para promover a segunda temporada de Girlfriend’s Guide to Divorce, eles criaram um hub online chamado SheShe,  que oferece conteúdo temático (os mesmos assuntos do programa: relacionamentos, entretenimento, saúde, decoração) curado pelo Bravo com sites Apartment Therapy, Refinery29, Vulture, Glamour e She Knows.

Os serviços de streaming, cada vez mais populares, dispararam uma batalha de direitos dos autores, que vai fazer o cenário mudar de figura: quando Showtime exibe as temporadas de Homeland no Hulu, os autores não ganham, mas se o Showtime vende para a concorrencia, como Netflix, os autores ganham… Além disso, o YouTube começou a comprar direitos de filmes e séries para competir com Amazon e Netflix através de uma submarca chamada Red, que é oferecida ao usuário por $9.99.

 

FOOD FOR THOUGHT

Liz Merriwether e Kurt Sudder são apenas dois shorunners americanos que sofrem com a pressão da audiência. Eles escreveram na coluna de TV da New York, Vulture sobre o que significa viver de audiência.

Na mesma coluna, 4 quadros que explicam como a audiência da Fox se comporta em relação a seu programa preferido…

E ainda um artigo da mesma coluna  super interessante sobre como séries – algumas excelentes — sobrevivem mesmo com audiência nem tão boa. Entre as séries, The Good Wife, Jane the Virgin, The Grinder, Scream Queens, Nashville.

Bravo fez uma pesquisa recente sobre como se comporta a audiência com realities. É sabido que as segundas temporadas em realities nem sempre crescem em audiência: de 330, 65% deixou de ver a segunda temporada. No entanto, há séries que crescem a cada temporada: 10 séries do Bravo, 10 de Investigation Discovery e outras 7-8 do HGTV e DIY. Há um quadro completo na Adweek mostrando porque o gênero tem vida longa.