1ª semana de fevereiro: Super Bowl, Grease e a eventização da TV

NA TV

Começaram os sweeps de Fevereiro e a “eventização” da programação é a única garantia de audiência alta. A semana começou muito bem para a Fox com o musical Grease Live no domingo que foi absolutamente brilhante. Uma produção da Paramount, que ocupou grande parte dos estúdios da Warner, exibido na Fox, com estrelas da Disney. Elenco fantástico e o trabalho de um diretor que saltava aos olhos. Foi impecável. Um vídeo da Assistente Direção chamando os cortes de câmera se tornou viral e mostra um pouco como foi orquestrar o que podia ser caos (20 câmeras, 21 sets, 392 trocas, 23 coreografias, etc) A Fox foi número 1 de 7 às10 (A 18-49, A 18-34 e em números totais: 13 milhões).

Uma notinha sobre este novo filão da TV (musicais): vem aí The Passion (Fox, com Seal no papel de Poncio Pilatos), The Rocky Horror Picture Show (Fox), Dirty Dancing (ABC) e Hairspray (NBC).

Outros dois eventos: na terça, a minissérie de Ryan Murphy, The People v. O.J. Simpson: American Crime Story quebrou recorde de audiência no FX (5.1 milhões – a história é muito bem contada, o caso teve enorme comoção popular na época e (o culpado) OJ Simpson foi absolvido, com os advogado usando racismo como defesa); e, na quarta, na ABC, a minissérie sobre o sujeito responsável por um dos grandes calotes de Wall Street de 7 anos atrás, Bernie Madoff. Episódio chatíssimo, audiência baixa (a HBO também está fazendo a sua versão ainda para este ano, com Robert De Niro.)

Sobre o SuperBowl no ar domingo e maior audiência do ano (espera-se 120 milhões este ano), a CBS está faturando de 4.5 a 6 milhões por spot. Os comerciais são a parte mais divertida — se não a única — e a posição nobre logo após o jogo (capaz de catapultar uma série para o sucesso) será de Stephen Colbert.  Este ano, os comerciais tem dezenas de celebridades, como Helen Mirren, Amy Schummer e Seth Rogen, Scott Baio, Alec Baldwin no primeiro anúncio da Amazon, Steve Tyler, Ryan Reynolds, Drake, Kevin Hart, Lil’ Wayne, Missy Elliott, Christopher Walken, Liam Neeson e tantos outros. E aqui vai a lista completa de quem está anunciando.

Suits voltou na semana passada, sempre ótimo, e os breaks serviram para USA começar a promover Queen of the South, série americana baseada em uma novela venezuelana (com Alice Braga).

Todos os dias em todos os jornais tem alguma noticia sobre Zika e os riscos da Olimpíada e de se ir ao Brasil…

 

NOTICIAS e OUTRAS PLATAFORMAS

Apple, Instagram e YouTube estão todos se movimentando para ocupar um pedaço do mercado de ficção:

O drama Shield 5 estreou no Instagram esta semana. São 28 eps de 15 segundos acompanhados de uma foto. Serão mostrados durante um mês e criaram uma nova submarca de “social cinema”. O Instagram, aliás, já está usando anúncios em vídeo de 1min.

Red, o serviço de assinatura do YouTube que quer competir com Netflix, estréia quarta, 10, com 4 histórias originais:
A Trip to Unicorn Island: um longa que mostra a visita de a 26 cidades.
Dance Camp: longa do AwesomenessTV sobre um grupo de amigos, paixões e auto-descobrimento através da dança.
Lazer Team: comédia de ação com quatro losers que encontram uma nave de alienígenas e sua carga misteriosa.
Scare PewDiePie: reality de aventura com a personalidade mais popular do YouTube e produzida pelo criador de T he Walking Dead

Apple deve lançar o Iphone 7 este ano (no outono americano) e com ele sua primeira leva de séries originais. Como eu tinha falado aqui, a Apple tem se reunido discretamente com executivos de Hollywodd para conversar sobre entretenimento. Uma das possibilidades (segundo blogs especializados) é a estréia de séries de ficção como parte de um serviço maior de TV e video.

A estréia de Viceland, o canal do A+E Networks e Vice, é no próximo dia 29 e promete inovar também em seu modelo de vendas comerciais. A equipe de vendas está oferecendo menos comerciais, mais conteúdo customizado e pod takeovers. Patrocinadores também vão ter a oportunidade de investir em conteúdo ao invés de anúncios (e o anúncio/branded content será criado pela equipe de Vice). O canal vai estrear com filmes adquiridos e 8 séries originais.  Spike Jonze será co-presidente, com Eddy Moretti, Chief Creative Officer e o Diretor Geral será o (genial) Guy Slattery, que vem do A&E e History.

Matt LeBlanc (Joey Tribiani)  será um dos novos apresentadores de Top Gear (BBC), substituindo Jeremy Clarkson, que foi demitido por bater num produtor. Os outros dois apresentadores se solidarizaram com ele e vão todos viver felizes na Amazon.

Finalmente o Facebook vai atualizar seu famigerado “like” com emojis que poderão ser postados a cada comentário. Há corações, carinhas de espanto e tristeza…Eles fizeram grupos de pesquisa na Espanha, Irlanda e Chile e as novas reações foram aprovadas. O lançamento será mundial e “nas próximas semanas”.

Screen Shot 2016-02-04 at 3.40.33 PM

 

 DESENVOLVIMENTO
National Geographic Channel está desenvolvendo uma minissérie em 6 eps que investiga a existência de Deus.  Será produzida e apresentada pelo ator Morgan Freeman.
Epix está produzindo um documentário de Norman Lear e Shonda Rhimes sobre desigualdade nos EUA. America Divided será centrado em celebridades, que vão falar da desigualdade que elas mesmo sofreram, seja por racismo, preconceito de idade ou classe social.

A BBC vai entrar no bonde das séries sobre crimes reais e está desenvolvendo a sua, baseada em 3 assassinatos dos anos 40 e 50 em Notting Hill em Londres.  Rillington Place terá 3 episódios de uma hora e será co-produzido com a Endemol Shine. A história também bebe em The Affair: o crime é contado do ponto de vista dos três assassinados — John Christie, sua mulher Ether e o vizinho Timothy Evans — e explora os erros cometidos pelo sistema judiciário e que contribuiu para a abolição da pena de morte na Grã-Bretanha.

Spike, Universal e Paramount Television vão desenvolver juntos um drama de Gale Anne Hurd (The Walking Dead) chamado Pendergast sobre um excêntrico agente do FBI que precisa resolver crimes em NY. É a segunda série dramática do Spike (a primeira foi Tut) e deve haver ainda uma terceira, Red Mars, baseada nos livros de Kim Stanley Robinson.

Netflix vai tornar #Girlboss em série. A autobiografia de Sophia Amoruso será uma comédia desenvolvida por Charlize Theron e Kay Cannon,  contando a história de sua ascenção de vendedora de roupas usadas no Ebay até seu próprio império de roupas vintage em Los Angeles aos 27.