semana de 18 de abril – drama real na ABC, MTV volta à música, futuro da publicidade TV

NA TV

Com Jon Snow, digo Game of Thrones, de volta no domingo  –junto com Veep e Silicon Valley  no mesmo dia, renovados pra mais uma temporada antes mesmo de estrear– a HBO teve que exibir os dois últimos episódios de Girls juntos domingo passado, dia 17. A audiência já tinha caído em média 15% de outras temporadas.

AMC exibiu o finale de Better Calll Saul na segunda (2.3MM), seguido de um Talking Saul e na terça logo estreou uma superprodução de 6 episódios com Hugh Laurie, o suspense The Night Manager, baseado na obra de John Le Carré.   É co-produzido com a BBC (nos EUA, parte do AMC), que exibiu The Night Manager em Março (6MM por noite). E muito bom.

Na quinta, a morte súbita de Prince provocou um pequeno milagre na MTV: eles interromperam a programação no início da tarde e passaram a exibir seus videoclips. Aconteceu no mesmo dia em que divulgaram praticamente outro milagre: vão voltar a centrar seu conteúdo em música, fazendo novos  Unplugged (Acustico), um reality de competição hip hop (Mark Burnett), MTV News e um programa de música ao vivo chamado Wonderland. Cribs, que sempre foi um sucesso (artistas mostrando suas casas) também vai voltar, mas para o snapchat.

Os canais abertos, que reservam as sextas à noite a especias/docs foram rápidos para programar os seus.


NOTICIAS

Está no ar mais um drama real de nível Ann Curry/Today Show, desta vez envolvendo  Live with b7769feda88beb2f6f049f043cc40945Kelly and Michael (no ar nas manhãs da ABC). Michael Strahan, co apresentador de Live with Kelly and Michael vai mudar definitivamente para o GMA. Ele é ex jogador de futebol americano, excelente apresentador,já participava do GMA duas vezes por semana e “ganhou” o posto de co-âncora de Kelly há 4 anos (minha newsletter já existia!).  A dupla é ótima e o programa, o melhor das manhãs. O drama está por conta de Kelly Ripa: ela foi avisada da decisao da Disney na mesma hora que o press release saiu… Está furiosa e não apareceu para trabalhar na quarta, quinta ou sexta, se sente desrespeitada pela Disney e por Michael (ela foi a  responsável por colocá-lo no programa). A mudança é uma tentativa de fazer o GMA crescer outra vez (que perdeu 20% da audiência mais jovem e tem ficado atrás do Today Show há quase 6 meses). Para a vaga no Live, especula-se que dois BFFs de Kelly Ripa sejam candidatos: Anderson Cooper e Andy Cohen.

Outra decisão da Disney esta semana foi se desvencilhar definitivamente da JV com Univision no Fusion. Lançado há 3 anos, já acumula 60$milhões no vermelho. Univision comprou a parte de Disney, formando Fusion Media Group.

Ações da Netflix caíram quase 10% esta semana quando a empresa disse prever um crescimento menor de assinantes. Os resultados iniciais do segndo trimestre eram 3.5 MM e baixaram para 2MM.  A noticia chega ao mesmo tempo que a Amazon anunciou o lançamento de um serviço de assinatura (SVOD) mensal por $8.99 (contra os $10 ou $12 da Netflix).

Está se vendo muito sobre empresas de mídia e entretenimento investirem em realidade virtual (o NYTimes fez uma matéria boa esta semana), mas esta é realtivamente inédita: Huffington Post– que pertence a AOL, que pertence a Verizon– comprou um estúdio de conteúdo de VR, RYOT, por $10-$15milhões. Isso significa que vamos ver storytelling em 360 no HuffPost.

HBO e Discovery compraram parte de uma empresa de holografia, Otoy. Da HBO já se previsa porque Jon Stewart anunciou que este seria o tipo de material que ele estaria desenvolvendo. Já Discovery deve usar em conteúdo móvel, social e até mesmo em produtos usáveis.

 Novo 73 Questions da Vogue: Taylor Swift. O melhor é a espiada dentro da casa.

 

MARKETING

Impossível não saber que Game of Thrones estréia domingo. Com marketing focado em redes sociais (a imagem aí de cima é uma brincadeira interativa divertida, tem minha cara), o Late Late Show With James Corden juntou alguns atores do elenco da série para debochar deste mesmo Hall of Faces Lena Headey, Emilia Clarke, Alfie Allen e Iwan Rheon participaram.

pennydreadful1_cube__twocolumncontentO Showtime também promove a volta de Penny Dreadful com interatividade através de uma campanha convidandos fãs a exibirem sua arte inspirada no série, um thriller de horror. Algumas peças serão escolhidas para um livro de quadrinhos e três vencedores devem ganhar merchandising oficial da série, bem como peças do cenário. O material submetido está em exposição no Tumblr.

Airbnb estreou sua maior campanha na TV até agora e convida o morar na cidade, não visitá-la. Fora do ar, anúncios em estilo pinterest.


DESENVOLVIMENTO

Lifetime anunciou sua programação em desenvolvimento para 2016-17 e foca em mulheres fortes, seguras, independentes e complicadas: um drama com e baseado na vida de Selena Gomes, três filmes protagonizados pela ex-UFC Ronda Rousey, um reality de moda  chamado Fashion Inc com a estilista Rebecca Minkoff e outros dois especiais com Janet Jackson e Serena Williams.

TV Land é o mais recente canal a cabo a entrar no terreno do late night, desenvolvendo 10 episódios do podcast de  Funny or Die, Throwing Shade. Throwing Shade vai tratar de assunto de cultura pop e política em frente a uma platéia e entrar no ar às 11. Estréia em 2017.

Stuber é uma comédia de ação em desenvolvimento na Fox que vai tratar de uma noite na vida de um motorista de Uber.

 

FOOD FOR THOUGHT

6cc6329a-e698-48c2-8120-f7ac4881291eO mundo está ficando paranóico com a mídia e isto está refletido na liberdade de imprensa, é o que diz Reporters Without Borders ao divulgar sua classificação de países ao tratar do tema, pluraismo e segurança de jornalistas. A classificação deles é anual (desde 2002) e envolve 180 países  EUA está em 41º, Brasil em 104º lugar e Turkemistan e Coréia do Norte no fim da lista.
O Ad Age publicou esta semana uma série de artigos sobre as mudanças acontecendo na televisão. Há uma grande sobre o futuro da publicidade TV, outro sobre como analisar audiências  quando elas só caem (é o quarto ano seguido que as grandes redes perdem audiência consistentemente), é um momento de evolução e fragmentação da audiência não significa menos oportunidade