semana de 16 de abril – facebook vê o futuro, viacom vê millenials, shondaland vira site, einstein chatbot

NA TV LINEAR e NAO LINEAR

Girls (HBO) terminou (bem) no domingo, enquanto Veep e Leftovers (HBO) voltaram apenas OK.  Pretty Little Liars (Freeform) voltou (bem) na terça e foi líder mundial do Twitter. Fargo (FX) voltou na quarta (OK) e The Voice (NBC) passou para a fase ao vivo, com votação aberta até 5 minutos antes do fim (faz boa audiência mas fica atrás dos programas da CBS, NCIS e Bull).

Depois de ótimas séries documentais sobre as décadas de 60, 70 e 80, a CNN estreou na quinta uma em 8 episódios que explora as trilhas sonoras que marcaram grandes eventos da história, Soundtracks that Defined History.  O primeiro episódio foi em volta do assassinato de Martin Luther King e o da semana que vem é da música em volta de 9/11.

Outro bom documentário foi na PBS, Seed, The Untold Story. Curtinho, informativo (sobre sementes) e visualmente rico (animações, bonecos, linda fotografia).

Shonda Rhimes, responsável pelas grandes personagens do primetime da ABC na quinta (TGIT), vai criar um site com mais histórias de interesse feminino. Será lançado em Outubro, terá o nome de sua produtora, Shondaland, e tratar de estilo de vida, política, cultura pop e ficção. Enquanto isso, a mensagem de boasvindas de Shondaland.com diz que será para “a guerreira dentro de todas nós”.

NOTICIAS, MARKETING

Como já se leu no Brasil, o jornalista mais importante da Fox News, Bill O’Reilly,  foi demitido por conta das acusações de abuso sexual. Além dos protestos na frente do prédio da Fox em NY e boicote de anunciantes, mantê-lo no ar poderia prejudicar a negociação da compra da Sky européia pela 21st Century FoxThe O’Reilly Factor tinha sido programa mais visto entre os canais de notícias por 14 anos. Em seu lugar, a Fox News colocou Tucker Carlson, que chegou ao primetime apenas há 3 meses, substituindo Megyn Kelly. O’Reilly leva 25 milhões.

Facebook teve seu encontro anual de desenvolvimento e tecnologia esta semana, o F8. No keynote, Mark Zuckerberg falou em detalhes sobre sua ambição de dominar o mercado de realidade virtual, o fim do smartphone e os produtos em desenvolvimento (entre eles, uma ferramenta que vai permitir que se digite com a mente) . Outras sessões, disponibilizadas em vídeo aqui.

Na quarta, o Empire State em NY virou um grande editorial de moda, com projeções de imagens icônicas da Harper’s Bazaar celebrando seus 150 anos.  A seleção de fotos foi curada pela Bazaar e Tiffany’s e streamed via FB Live.

Um dos mais prestigiados prêmios americanos à mídia eletrônica, o Peabody Awards, que é dado pela Universidade da Georgia, foi anunciado na quinta. Este ano eles escolheram duas comédias de Louis CK, Better Things e Horace and Pete, a comédia Atlanta do FX, Veep (HBO), o “álbum visual” de Beyonce, Lemonade (HBO) e duas séries inglesas, National Treasure (Channel 4) e Happy Valley (BBC).

A engenhosa campanha promocional da primeira série de ficção do Nat Geo, Genius, começou no Super Bowl, com Einstein tocando Bad Romance logo depois de Lagy Gaga; continuou no SXSW com a recriação de seu chalkboard com selfies  via Twitter,  e agora, perto da estréia dia 25, pode-se dialogar com o próprio Einstein num chatbot via Facebook Messenger. Eu tentei, ele respondeu na hora, mas não o que perguntei.

Este é um gráfico interessante com um mini-perfil de quem está vendo as séries de maior audiência na TV e como seus interesses se alinham com marcas. foi criado pela Quoncast, empresa de tecnologia que mede a eficácia de anúncios em tempo real.

DESENVOLVIMENTO

FYI e Sur La Table (aquela loja incrível de produtos de cozinha) estão desenvolvendo uma série de culinária, Scraps.  Nela, o chef da Sur La Table, Joel Gamoran, vai viajar pelos EUA e criar pratos em lugares inesperados só com restos de comida (scraps em inglês). É produzido pela jornalista (ex-Today) Katie Couric.

Mais um documentário sobre diferenças raciais nos EUA em desenvolvimento, desta vez com Nat Geo, Jay-Z, os Weinstein e (outra vez) Katie Couric.

A primeira prefeita negra americana também será tema de uma série do Bravo, Candy. A trama gira em torno de sua vida profissional numa cidade violenta e pessoal, enquanto ela administra o marido e o amante. Foi criada por Ben Cory Jones, que escreve a bem sucedida Insecure (HBO).

FOOD FOR THOUGHT

A Viacom sempre fez excelentes pesquisas sobre grupos geracionais. Esta semana eles lançaram mais uma sobre millenials com um mini-doc chamado The Culture of Proximity.  O filme tem entrevistas com acadêmicos, celebridades, futuristas, etc. Outros dados foram publicados na Fast Co.

Chris McCarthy é considerado o responsável por ressuscitar o VH-1 há dois anos. Agora, tem a mesma tarefa com a MTV, que perdeu 50% de audiência nos últimos 5 anos. Para tanto pretende voltar a fazer não ficção e mais televisão ao vivo, como um MTV Live, uma releitura do popular TRL (variedades ao vivo com público), com quatro horas de duração direto do Times Square em NY.

A série 13 Reasons Why (Netflix, produzida por Selena Gomez) tem sido elogia e criticada na mesma intensidade sobre como trata o tema suicídio. Esta semana, um dos roteiristas da série, Nic Sheff, escreveu um longo editorial na Vanity Fair defendendo a exibição das imagens de suicídio, falando de sua própria experiência.

Com a Comcast criando um serviço de telefonia móvel e o consumo de mídia em aparelhos móveis aumentando um minuto por dia nos últimos 4 anos, este editor do AdWeek dá indícios que este é o futuro

Save

Save

Save

Save

Save

Save

Save

Save

Save

Save

Save

Save