semana de 4 de junho – show de comey, séries de Israel, mulheres da política, showrunners falam, parceria tinder e delta

NA TV LINEAR e NÃO LINEAR

Chamado de Superbowl da Política, na quinta o ex diretor do FBI, James Comey, depôs no Senado ao comitê que investiga o comprometimento do presidente com a Russia.  Canais abertos e de notícia estavam ao vivo, com seus âncoras e dezenas de comentaristas transmitindo direto de Washington, humoristas tuitando ao vivo e bares abertos desde cedo com TVs ligadas. O Show de Comey foi um sucesso com 20MM de audiência total (10 canais).

Apesar de tudo, pode-se argumentar que o assunto Trump está perto do ponto de saturação. Como ele gera notícias 24h por dia, não dá tempo de chegar ao ar. Seth Meyers e Samantha Bee, por exemplo, já estão colocando material original direto na web e o sentimento de fadiga-trump é geral, quando não é de humor negro (como esta aparição surpresa de Brad Pitt no Comedy Central quarta à noite para falar do clima).

Em linha com a época, a CNN estreou na TV linear e web uma série (7 eps) chamada  Badass Women of Washington, traçando perfis das mulheres mais influentes derrubando barreiras na capital (senadoras, militares, mulheres casadas com políticos e integrantes do governo). Já o Smithsonian estréia  no fim do mês uma série sobre as mulheres por trás dos presidentes americanos, de Jackie K a Eleanor Roosevelt e Laura Bush,  First Ladies Revealed.

Apple lançou o primeiro episódio de sua primeira série original na terça, Planet of the Apps.  Promove a App Store e replica o formato de Shark Tank, onde developers apresentam seus aplicativos em busca de financiamento  de mentores (entre eles Jessica Alba, Gwyneth Paltrow e Will.I.Am).  São 10 episódios lançados semanalmente de graça para os 27 milhões que assinam Apple Music (a 10$ por mês).

A marca de maquiagem CoverGirl fez uma pesquisa sobre o uso de maquiagem: 52% das mulheres se sentem julgadas quando estão se maquiando em público e 74% sentem que devem estar maquiadas em ambientes sociais. Com estes resultados, a festejada agência Droga5 criou uma campanha chamada
#ProjectPDA –Public Displays of Application que visa celebrar a maquiagem em público.

Este PSA norueguês vai só como inspiração porque é muito fofo (e teve mais de 120MM de visualizações em uma semana no Facebook). É parte de uma campanha da Secretaria de Criança e Juventude da Noruega promovendo solidariedade e apoio a casas para crianças carentes.


NOTICIAS

Até que enfim alguém fez esta matéria: o que está saindo de Israel é muito bom, como confirma o Variety.  Em parte por causa dos orçamentos limitados. Nos EUA, uma série de TV paga custa entre 1 e 2.5 milhões de dólares por episódio. Com pouco dinheiro, não há outra saída a não ser criatividade.  Fauda, Split Dumb, Yellow Peppers, The Greenhouse, Wisdom of The Crowd e a melhor que vi nos Screenings deste ano, The Brave, são apenas alguns títulos da produção recente.

A agência Anatomy divulga uma pesquisa anual de hábitos de consumo de mídia da geração millenial (18-24). A deste ano está aqui, The Young and The Brandless. E uma curiosidade? 50% desta geração descobre conteúdo em aparelhos móveis e não associa programa a canal, só quem assiste na TV.

 Mad Men vai entrar em syndication (reprises em outros canais) pela primeira vez. Será no AT&T Audience Network, que vai exibir todas as 7 temporadas e comprou os direitos como parte do deal que Lionsgate e Starz assinaram com AT&T e Direct TV no anos passado (Lionsgate comprou Starz e AT&T comprou parte de Lionsgate).

A rede social Pinterest levantou um financiamento de mais $150 milhões (aumentando o valor total de investimentos para $1bi desde 2010). O objetivo é para melhorar o visual da rede e fazer sua base crescer fora dos EUA. Houzz também está levantando $400MM.

 

DESENVOLVIMENTO

HBO também está desensolvendo um formato israelense, Euphoria, sobre a beleza e brutalidade da adolescência hoje.  A história segue um grupo de colegiais que tenta pensar no futuro enquanto vive um  coditiano com drogas, sexo e violência.  Serão 10 eps.

A produtora de Zoe Saldana vi produzir uma série de não ficção chamada Mothers, também adaptada de um formato israelense, que segue 6 mulheres com diferentes perfis na educação de filhos.

Brown Girls é uma comédia em desenvolvimento na HBO baseada numa websérie que estreou em fevereiro e fez sucesso viral e de crítica. Trata de duas mulheres negras gays em Chicago lidando com relacionamentos.

Amazon vai desenvolver um drama contando o relacionamento de Monica Lewinsky e Linda Tripp, duas mulheres que eram amigas até o caso do relacionamento do ex presidente Bill Clinton com Monica veio à tona (por conta de fitas gravadas por Linda Tripp). A série vai se chamar Linda e Monica.

 

FOOD FOR THOUGHT

Com a votação do Emmy começando segunda,  o Hollywood Reporter trouxe de volta suas mesas redonda com criadores das melhores séries hoje em dia.  Rendem especiais de TV, geralmente exibidos na PBS local da California e são muito bons. Alguns trechos estão online, como este de Phoebe Weller Bridge, que escreve a excelente Fleabag.   Nesta mesa, também estão os showrunners das comédias Veep, Speechless, Girls, Black-ish.  Na mesa de drama, Ryan Murphy, Ava Duvernay  Jenji Kohan, Noah Hawley, Lisa Joy e David E Kelley, que adaptou Big Little Lies para a TV e fala como tratou o sobre o tema de abuso sexual.  Kohan também conta que está desenvolvendo uma série com Jesus adolescente para a Netflix e todos discutem os perigos de binge watching.

Uma das mais inventivas campanhas de aerolíneas foi feita em parceria com o Tinder: a Delta Dating Wall é uma parede pintada em Williamsburg com 9 destinos “exóticos” para servir de cenário de fotos. No dia 17, usuários do Tinder podem fazer suas fotos de perfil com fotógrafo profissional.