semana 1º de Abril – CW renova séries no atacado, política and the city, doh’nuts e big data na publicidade

TELEVISÃO E NÃO-LINEAR

Não se viu muita brincadeira com o primeiro de abril. Talvez reflexo da piada que os últimos tempos vem sendo. Mas a da Netflix adquirindo Seth Rogen e as streaming socks do Roku até que foram simpáticas.

A semana foi muito quente na TV americana:

O domingo de Páscoa contou uma penca de (boa) programação original disputando audiência. Além de uma final emocionante do campeonato de basquete universitário feminino na ESPN – com direito a virada no último segundo – tivemos episódios novos de Homeland e Billions (Showtime), Silicon Valley e Barry (HBO), The Walking Dead (AMC)… o vencedor geral foi Jesus Christ Superstar na NBC. Assistido por 9.6 milhões de pessoas, dando para a emissora do pavão seu melhor domingo de páscoa em 12 anos e o melhor domingo (no geral) em 3 anos, o live event – como chamam por aqui – trouxe John Legend como Jesus e Alice Cooper como King Herod e colocou American Idol (ABC) num distante segundo lugar com 7.4 milhões.

Na terça, o retorno de Tracy Morgan para a TV, com sua nova série The Last O.G., bateu recordes. Foi a maior audiência de uma comédia estreante na TV a cabo desde 2016 e melhor estréia na história de uma série original da TBS.

Depois de 9 anos, a CW anunciou que vai voltar a ter 6 noites de programação prime time. Os domingos voltarão a ter programas originais, deixando apenas a noite de sábado livre para afiliadas. E mais: pelo segundo ano consecutivo renovou todas as séries no atacado e com antecedência. Dentre elas, a imortal Supernatural chega à sua 14ª temporada, enquanto as ótimas Jane, the Virgin e Crazy Ex-Girlfriend – ambas vencedoras de Globo de Ouro de melhor atriz – darão adeus em suas temporadas finais.

Na próxima segunda-feira, Cardi B vai fazer história mais uma vez. Depois de ser a segunda mulher a ter um single de rap no primeiro lugar das paradas (a primeira foi Lauren Hill em 1998), a carismática rapper será a primeira pessoa a co-apresentar o Tonight Show with Jimmy Fallon (NBC). Fallon está precisando mesmo se emprestar da fama da cantora; seu programa perdeu espaço desde que seus concorrentes Stephen Colbert e Jimmy Kimmel resolveram se colocar abertamente contra o governo Trump, enquanto Fallon tenta manter seu programa fora da discussão política.

Falando de política… Cynthia Nixon, a eterna Miranda de Sex and the City, está mesmo concorrendo ao governo de Nova York. E a julgar pela escolha do programa para a sua primeira entrevista em TV nacional como candidata – o Wendy Williams Show, que tem audiência massiva de mulheres entre 25 e 54 anos – ela está focada em atrair o voto feminino, especificamente de mulheres negras. Será que ela vai ter o sucesso que outros atores como Ronald Reagan e Arnold Schwarzenegger tiveram?

Pra encerrar o papo de política na televisão, fica esse vídeo assustador sobre a Sinclair Brodcast Group e fake news compilado pela Deadspin.

 

NOTÍCIAS e MARKETING

Sony Pictures Television está produzindo para a Amazon uma série adaptada do filme Uma equipe especial, de Penny Marshall. Pra quem não lembra, é um filme de 1992 com Tom Hanks, Geena Davis e Madonna, que retrata a história verdadeira de mulheres que começaram uma liga de baseball nos anos 1940 enquanto os jogadores profissionais serviam ao exército na segunda guerra mundial. Ano passado a FOX exibiu a série original Pitch, onde uma mulher é contratada para jogar baseball junto com os homens na liga profissional americana. Criada por Dan Fogelman, do hit This is Us (NBC), foi cancelada com apenas 10 episódios.

Também na Amazon, Jordan Peele vai produzir uma série documental de 4 capítulos sobre Lorena Bobbit. Lorena fez notícia em 1993 ao cortar o pênis do marido enquanto ele dormia.

Rachel Maddow da MSNBC, passou Sean Hannity da FOX News e virou a âncora de TV a cabo mais assistida em Março.

Licenciamento: chega ao mercado “The Doh’nuts”; a rosquinha comestível licenciada pela FOX em homenagem aos 29 anos de The Simpsons. O lançamento é da famosa marca Krusty Kreme- ops, Krispy Kreme. Por enquanto só na Australia.

Apesar do calor que o Facebook está levando – com Mark Zuckenberg sendo convocado para depor no congresso e tudo – Big Data continua em alta. Com o crescimento do streaming e do consumo multiplataforma, o mercado publicitário tem pensado de maneira diferente sobre o melhor jeito de atingir sua audiência e a conclusão tem sido focar num perfil qualitativo e não quantitativo. Segundo o Axios, em 2017, o grupo de mídia da NBC fez mais de 500 clientes comprarem espaço publicitário apoiados nas informações de sua base de dados – e não nos tradicionais pontos de audiência da Nielsen. Agora, vários da indústria seguem a mesma toada:

  • AMC anunciou esta semana estar investindo em uma operação baseada em dados para melhor competir com canais como a NBC e a FOX.
  • FOX, Turner e Viacom uniram forças para criar o Open AP, um portal onde compra-se mídia direcionada para um público específico junto aos diversos canais destas empresas. Segundo elas, mais de 800 contas já foram criadas no portal.
  • Em seu processo de fusão com Time Warner, a AT&T vem afirmando que o principal objetivo é usar a base de dados de clientes que consumiriam os conteúdos de empresas do grupo Time Warner (entre elas DC Comics e a franquia Harry Potter) para criar novas oportunidades de publicidade.

 

FOOD FOR THOUGHT

Para (realmente) encerrar a leitura do dia: o que a overdose de telas está fazendo com nossos olhos?